Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2008

Perry

Imagem
Fonte: Google

Ao ver fotografia de Perry Smith no livro A sangue frio de Truman Capote


Era um olhar acastanhado
Intensificado por grossas sobrancelhas
De expressão irônica e dola humildade.
O cabelo sempre muito alinhado
A não ser uma única mecha
Dependurada no meio da testa.
Colarinho muito bem abotoado,
Ombros largos,
Camisa impecavelmente engomada.
Havia, além da plaqueta de identificação,
Um ar de frieza e tranqüilidade.
Era uma fotografia
De registro em um livro
Romance não-ficcional
Sobre um homicídio múltiplo
Que aconteceu no interior do Kansas
Em 1959.
Tantos anos se passaram
E eu ainda sinto um frio estranho
Quando vejo o homem da fotografia,
Sua calma exala uma difícil personalidade psicopata
Disfarçada na aparência
De baixa estatura e pernas tortas
Que o faziam claudicar.
As rasas aparências
Já não me enganam mais.


Jaquelyne de Almeida Costa

6ª edição da Feira de Saúde e Cidadania amanhã

O Projeto Colméia disponibiliza serviços de assistência social juntamente aos seus 32 parceiros



No próximo dia 28 (sexta), o Sesc Petrolina realiza a sexta edição do Projeto Colméia – Feira de Saúde e Cidadania. O evento enfatiza o compromisso e a responsabilidade social da unidade executiva proporcionando à comunidade um número extensivo de serviços de maneira multidisciplinar nas áreas de saúde, assistência, cultura, lazer e educação.
O projeto tem início às 7h e encerrará às 13h do mesmo dia, nas dependências do Sesc Petrolina.





Serviço
Projeto Colmeia – Feira de Saúde e Cidadania

Entrada: gratuita.
Data: 28 de novembro
Horário: de 8h às 13h
Local: Rua Pacífico da Luz (em frente ao Sesc)
Outras informações sobre o evento:
(87) 3866-7468 / (87)3866-7474
Site: www.sescpe.com.br

Doce força

Imagem
Ao ouvir a canção Samson de Regina Spektor.

Sansão,
Eu amo sua doce força
Eu amo sua face
Como se nada me pudesse estragar
Essa verdade que sempre vem
Como se fosse a primeira vez que eu lhe visse
Levantando uma flor que caíra
Do alto de um prédio frio.

Sansão,
Eu amo suas mãos suaves
Não quebre meu coração
Com sua doce força
E volte a colher a flor
Que chora sua terra derramada
seu vaso quebrado e solitário.

Você é a minha branda força
Minha fortaleza de carne e osso e coração
Eu preciso que você volte
Assim como quem vem de muito longe
Com saudade de tudo
Com vontade de amor.

Sansão,
Escute esse piano que toca
E ressuscita nossa canção
E revive nossa flor derramada
Em seu vaso solitário.
A música fala mais que eu
Pode mais que eu
Atingir sua doce força
Para que os seus braços fortes
Possam me abraçar a alma
Para que suas alvas mãos
Possam sustentar meu rosto emocionado
E seus olhos mornos
Possam encontrar em mim
O amor que me espanca o peito
Com força, muita força,
essa força doce que há em você, Sansão.




Jaquelyne de Alm…

Abdicação

Imagem
Hoje não te quero,
E deixe de tantos “por quês”.
Hoje não te desejo
Não te sentirei
Não te beijarei
Não, nos olhos, te olharei.
E deixe de tantos “como?”.
Hoje para mim és repugnante
Mais um viandante que caminhou, em vão,
Calçadas minhas.
Hoje nem quero que me venhas
E se insistires, voltarás pelo mesmo caminho.
Te fecharei as portas
Só por hoje,
Não te quero aliviar o cenho cansado,
Não quero ouvir confissões,
Não quero saber intimidades
Nem tuas nem alheias;
Não quero que me leias
Não quero declarações
Nem chamamentos carinhosos.
Hoje não te suportarei, vida minha.
Hoje estou em clausuras necessárias
E tu, só tu, sabes e podes retirar-me de mim.



Jaquelyne de Almeida Costa

Abaixo de nossos pés

Imagem
Há mortos a cada pedaço do chão
Que se encontra abaixo de nossos pés.

Abaixo de ti
Há todas as minhas lembranças
E o meu coração sepultado
Prematuramente.

Teus pés encharcados
De pretéritos sonhos meus.



Jaquelyne de Almeida Costa

Infância noturna

Para minha mãe, enquanto dormia.


E aos poucos
Bem de leve
Fecham-se aquelas cortinas escuras.
Branca,
Pura criança dorme.
Não tenha medo,
Minha querida,
Não tema o profundo abismo do sono.
Eu estou aqui,
Eu estou bem ao seu lado
Zelando-lhe o sono curto
Da infância noturna.


Jaquelyne de Almeida Costa