Desabrigada eternamente


Empurraram-me de mim
Não ocupo mais este lugar
Que outrora era tão (m)eu
Do qual nunca cogitaria perder-me.

Como a um cão de rua me enxotaram
Da minha boca tiraram o pão
Antes que eu dissesse não
Esqueci mesmo quem era eu.

Toda essa situação
Essa coisa de perder o lugar
De ficar para trás nalgum estranho habitat
De perder o brilho primeiro do coração.

Empurraram-me desse primogênito espaço
Onde conheci meu dom, minhas estrelas
Me deixaram somente o caos
De não saber mais como acendê-las.

Jaquelyne Costa - Janefli desde nascença.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não