A racionalização da Palavra: a comunicação falida - Parte II

Essas perguntas as faço para mim mesma. E, em tempo feroce, quanto mais eu as faço mais percebo o tempo escapulir de mim, e sou mais um número a se acrescentar na estatística da modernidade que a tudo superficializa. Quantas vezes na faculdade os professores me passam apostilas que eu nem tenho o tempo necessário para lê-las? Lembrei-me agora de um texto de Larrosa a cerca de como saber ler. Nele estava presente o que Nietzsche nos obriga a perceber da qualidade de nossas leituras. Destaco aqui o seguinte trecho de Larrosa: “O jornalista, por seu lado, representa a pseudocultura, a aceleração, a indisciplina intelectual, a superficialidade, a imaturidade, o espírito plebeu da divulgação. O jornalista é o que opina sobre tudo e sobre todos, o que fala de qualquer coisa, o que tem opiniões próprias, mas nada mais que opiniões.” À primeira vista, pode-se imaginar o enleio que saltou sobre mim. Eu, estudante de Jornalismo, lendo uma afirmação assim impactante. Concordo em parte com Larrosa. Quando ele diz que o jornalista representa a superficialidade lembro justamente da questão que acima citei sobre a rala leitura que fazemos dos fatos. Até aqui respeito a verdade que, inspirado em Nietzsche, Larrosa constrói. Mas não posso aceitar que ele utilize uma máxima que se torna injusta para alguns jornalistas, aqueles de quem a opinião se transforma em ação, a transfiguradora, que não fica parada e esquecida, descartada no papel do jornal. Deve-se lembrar o direito que todos, não só os jornalistas, possuímos de liberdade de expressão e ajustá-la ao tempo que temos e a leitura à altura dos acontecimentos. Basta aprendermos a lidar com eles, aí, então, poderemos deixar de ser sujeitos – o que dá idéia de submissão, de passividade – que recebem as ações através do que nos foi dito, passado com verdades distintas, e saberemos realizar a “leitura” que Nietzsche nos alerta.
Não adianta apontar a culpa para o outro somente. A partir de mim, vejo a deficiência que opera e nos inutiliza diante da vida do e no mundo, no Jornalismo, na nossa vivência particular. Eu me questiono sobre esse Tempo, o tempo que parece ser concedido pela sociedade em summa summarum e que antagonicamente nos é tirado, exigindo muito de nós e que, consequentemente, só damos o pouco, o muito pouco de nós mesmos. Nietzsche diz que a palavra cantada tem a expressividade necessária para fazer ser sentida profunda e realmente porque é preciso falar, primeiramente, consigo mesmo. A Poesia possui uma linguagem adequada de visão do mundo, não conceitua - isso é da linguagem científica, que não desperta a emoção. Só nos provoca aquilo que cheira a nossa entranha mais sensível e que por diversas causas foi sucumbida, ou realmente está adormecida. A Poesia faz ressurgir em nós a maneira pela qual sairemos da escuridão em que nossos olhos estão afogados, nossa mente submersa.
Jaquelyne A. Costa

Comentários

Badards disse…
isso ai jaque, se expressou bein ao falar da emoção despertada ao ler uma poesia ou um poema.
bjs jaque.
até +
Jaquelyne disse…
Oh, Badards!!
Obrigada!!!
Eu não disse nada mais que a pura verdade!!
Beijos!
Até breve!!
Ótimo post,(como sempre) num ótimo blog. Gosto de vir aqui. E aproveito pra te deixar umas palavrinhas, que vem lá de dentro.
.
"Ano Novo, é o resto de sua vida, é o daqui a pouco, é o amanhã é o tudo que está por vir.
Pegue sua força, sua vontade,e se jogue na vida. A Felicidade te espera,olhe pra frente
vibre, lute, na consciência que nada é impossivel. Não esmoreça nunca.
Se não acontecer hoje ou amanhã, vai acontecer depois.
Viva a vida em toda sua plenitude. Que seu coração lhe guie, e sua razão lhe de o rumo e prumo.
Pegue seu sonhos coloque debaixo do braço, e vá....... acredite. Sempre.
Tempos felizes que ainda vem. Um feliz 2009 em diante.....
é o que eu desejo a voce."
Maurizio.
Meg Macedo disse…
Oi Jaque, passe no meu blog tenho umas surpresinhas para ti por lá.


Feliz Ano Novo!!

Beijos!!!
Jaquelyne disse…
Maurízio, muito obrigada por tuas belas palavras!!!
Desejo-te um 2009 repleto de paz, amor e sucesso!!

Abraços!
Jaquelyne disse…
Olá, Meg!!
Você aqui de novo!!
Passo sim!!
Muito obrigada!!
Beijos=*
Giuseppe Menezes disse…
Então viva a poesia!
Jaquelyne disse…
Isso mesmo,Gepp!!!
Viva Poiesis!!

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não