Livro Oratório da Moça que Sente Saudade terá 100% das vendas revertidas em doações ao Movimento de Combate ao Câncer (MCC)

Livro Oratório da Moça que Sente Saudade terá 100% das vendas revertidas em doações ao Movimento de Combate ao Câncer (MCC)

A dor da perda transformada em poesia, transmutada em amor ao próximo. Em 25 de novembro, na Biblioteca do Sesc Petrolina, a poetisa e jornalista Jaquelyne Costa lançará o livro Oratório da Moça que Sente Saudade. O projeto reúne 53 poesias e pequenos textos que trazem a temática da ausência; em sua grande parte inspirados na relação da autora com a mãe, Alcineide Almeida (in memoriam), vítima de câncer renal em 21 de outubro de 2012.

"Este projeto é uma homenagem póstuma à minha mãe, minha primeira incentivadora no universo da escrita e a quem devo o meu amor pela leitura", revelou a autora. A publicação, que custará R$ 20, terá toda sua renda revertida em doações ao Movimento de Combate ao Câncer de Petrolina (MCC), que atualmente atende a mais de mil pacientes na região.

Inspiração

Os textos da antologia começaram a ser escritos durante o tratamento da mãe de Jaquelyne Costa. Nessa época, ambas conheceram de perto o trabalho do MCC em Petrolina/PE. "Vi a dificuldade da organização em ter verbas para medicamentos e como, para nós, teria sido bem mais desafiante sem o apoio financeiro deles. Quando somávamos a quantidade de remédios no mês, dava mais da metade de um salário mínimo", contou.

A poetisa alega que essa vivência sedimentou um compromisso entre mãe e filha. "Ela falava que, caso sobrevivesse, iria colaborar com o MCC sempre que pudesse. Desde então, esperei o trauma do falecimento passar um pouco para retomar esse plano de colaborar. Eu sei que o que vou dar é muito pouco, mas foi a forma que encontrei também pra divulgar a causa e, quem sabe, estimular mais pessoas a fazerem doações", contou Jaquelyne.

Para Esmelinda Amorim, voluntária do Movimento de Combate ao Câncer em Petrolina, a notícia da doação foi "muito gratificante". "São muitas famílias que dependem do nosso trabalho. Este ano não pudemos fazer o Forró do Beco, que garante as despesas do ano; então quando iniciativas como esta de Jaquelyne acontecem - iniciativas sérias - ficamos muito felizes e agradecidos. Esperamos que a comunidade abrace essa ideia, porque é uma cooperação direta para quem precisa", destacou.

Com 77 páginas e prefácio elaborado pelo escritor e poeta Matheus José da Silva, Oratório da Moça que Sente Saudade teve ainda projeto gráfico assinado pela Asè Editorial. Os primeiros 100 exemplares estarão à venda no evento, que terá início às 19h. Para mais informações sobre pré-venda, acesse http://bit.ly/OratorioJaquelyne.

A autora - Jaquelyne Costa é formada em Jornalismo pela Universidade do Estado da Bahia (2010) e pós-graduada em Assessoria de Comunicação e Novas Tecnologias da Informação pela Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina (FACAPE). A poesia, no entanto, surgiu bem antes em sua vida: ganhou, em 1998, sua primeira medalha por poema-homenagem ao Colégio Motiva. Participa dos 31º e 32º volumes da Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos da Câmara Brasileira de Jovens Escritores no Rio de Janeiro. Tem artigos, crônicas e poemas publicados em jornais e blogs locais e regionais. Em 2010 granjeou o Diploma do Mérito Olegária Mariano, concedido pela Câmara Brasileira de Desenvolvimento Cultural, pelos trabalhos prestados à União Brasileira de Escritores de Petrolina. É coautora do livro “Filhas de Lilith na Imprensa em Juazeiro e Petrolina” escrito como trabalho de conclusão de curso em Jornalismo pela UNEB. Em 2012 entrou para a Antologia do Prêmio Nacional Novos Poetas. 

Serviço: 
Lançamento do livro Oratório da Moça que Sente Saudade, de Jaquelyne Costa
Data: 25/11/2016, às 19h
Onde: Biblioteca do Sesc Petrolina/PE
Quanto: R$ 20 (doados integralmente ao MCC)

Fonte: PATH Comunicação 3.0 - +Paula Theotonio 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido