Da hipérbole que mora em mim


Rasga essa dor tecida no peito
Grita
Alardeia
Pode grunhir
Esgaça pelas alças
Deixa cair
Que o sentimento é expeço demais
Que a saudade é enorme demais
Ultrapassa as estruturas cardíacas
Infla os pulmões
Dilata o tórax
Suspende o ar
Inflama a corrente sanguínea
Escorre pelo corpo inteiro
Transborda fragmentos da alma
Se apossa das paredes
Se acomoda nas fotografias em cima da cômoda
No cheiro da roupa guardada
Nos objetos escondidos do olhar
Que o sentimento é expeço demais
Que a saudade é enorme demais
É hipérbole morando em mim.
Jaquelyne Costa - Janefli desde nascença

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não