Não quero a riqueza dos homens


Não quero a riqueza dos homens
nódoas escuras nas mãos
notas que matam e suicidam.
Almejo a vista que meus olhos alcançam
límpida e performática nação.
Serei pastora de nuvens e azuis
de infinitos e luz.
Serei feliz não tendo nada mais que o paraíso feérico
e todos os sonhos que nele repousam.


Jaquelyne Costa - Janefli desde nascença

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não