Le parapluie

(Imagem: Google)
Le parapluie. Ouvi. Senti os pingos da chuva e então me estenderam um guarda-chuva. Queria guardar meu coração. Amor. Ternura. Caminho nublado, meus olhos pingados e um frio que percorria a espinha. O vento era o arrepio, talvez o assobio que cantava uma cançãozinha francesa. Ele não me disse nada. Lembro ainda o gesto. Delicado e gentil. Eu, desacostumada, estranhei. Mas mesmo assim aceitei. Percorremos a estrada até que cheguei ao meu destino. Paramos. Fitamo-nos. Baixei o rosto, ele o soergueu. Quis falar e ele, suavemente, me assinou um beijo em nome do seu nome. Seguiu-se para além do horizonte. Le parapluie, saudade de chuva. Nunca mais o vi.





Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Que lindo parapluie vc abriu sobre nós!!
cheio de sensações e ternuras de um momento eternizado em poesia!
"La vie est belle"
Realmente a vida pode e deve ser bela, quando tudo se vai, e resta-nos a beleza captada por um poema
e uma sensibilidade que soube valorizá-la,

Bisous ma chère!! ˚͜˚
Giuseppe Menezes disse…
Passando para deixar um abraço!
[ rod ] ® disse…
O amor ao grau da esperança! seja ela em nuvens cores ou no cinza da desigualdade. Um bj moça.
O que a poesia não faz conosco, hein, Ester?!

Ahh...minha imaginação... Le parapluie...

Beijos
Giuseppe,
pensei que não me conhecesse mais...

Abraços
Rod,
sua presença aqui muda a atmosfera...
você carrega uma poesia maravilhosa...

Beijos, moço!
G I L B E R T O disse…
Jaque

TExto lindo lindo lindo e lindo!

Mágico, li um monte, ouvi as gotas de chuva em le parapluie!

E que fique a prece para ti, minha amiga, que, com a próxima chuva, ele volte....

GRato pelo belo momento que vivi aqui, frente teu texto!

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não