Ofício de Janeflí

(Cena do filme The Innocents baseado no livro A volta do
parafuso
de Henry James)

Profetisa ancestral
Vinda das paisagens gregas
Em antigos jardins passeia
Plantando suas visões
As nuvens lhe são o écran
De onde a vida lhe passa relâmpago
Notícias trovões abruptas
São os dons que lhe surgem
- motivo de todo o seu afã.
O agudo que soa
em seu ouvido esquerdo
as vozes que ecoam
sem se fazerem nítidas
as pessoas que vê
a passearem leves como brisa
e se pergunta a outrem
lhe ouve dizer “não vi”:
são os mistérios do ofício de Janeflí.


Poema: Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Nanes! disse…
Oi Oi..^^
gostei do seu blog.. obrigada por seguir

bjinhoos
Blog do Óbvio disse…
Jaqueline, uma "fofura" o seu blog. Adorei. Nem vou seguí-lo. Vou perseguí-lo. Um carinhoso beijo. Manoel.
HSLO disse…
Gostei...viu amiga,

Fique com DEUS.


abraços

Hugo
Liginha Gabriela disse…
Jaquee amiga lindxaaa

passando pla desejar um Excelente final de semana pla ti

bjoss no ♥

;***~
Menino-Homem disse…
bom, sempre ótimo, maravilhoso...

você tem
espelhos
do bem...

beijos,
do seu homem-mais-menino-preocupado-com-a-vida...
Alice Brasil disse…
Oh, que poema belo! Também adorei o poema da menina do último andar, vc tem veia literária.


Beijos!!!

Meg Macedo.
Passeia pelo jardim e o que procura ninguém vê...

Uma beleza,sempre uma beleza!!!

Beijo!!Sonia Regina.
Ilana disse…
Uma beleza,sempre uma beleza!!! 2

Eu tenho certeza que vc ainda vai longe... Quanto sentimento, moça.. nunca canso de vir ao seu blog.

Parabéns mais uma vez, Jaque
você é linda, e é mar...!

e queremos aproveitar pra te convidar a conhecer uma nova teia de poesia que está começando... ganhando asas... um estilo livre... que contando com sua beleza irá se transformar em encanto...

conheça:
http://agenteeapoesia.blogspot.com/

um blog pensado pra unir pensamentos, emoções...

abraços,
e aguardamos sua visita...

Abraão Vitoriano e Paulo Roberto.

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido