Reinventei meu nome

Estava sozinha naquele banco de madeira triste, a árvore chovia umas lágrimas enquanto eu estudava o azul-cinzento daquele dia incomum. O vento vinha e zumbia uma canção distante de amor – as músicas, quase sempre, tem o poder de me transportar. E fui afastada daquele desejo de tornar-me invisível. Queria mesmo que todos me vissem ali, cantando, segurando a barra da saia rendada que minha mãe fez quando eu tinha outros anos.
As minhas mãos seguravam meu rumo e eu já sabia que seria assim: campânula bordada de estrelas e guizos iluminando destinos que surgissem por aí. E como eu estava dissimulada naquele dia... Meus “olhos de ressaca” bafejavam meu desejo de um amor que fosse um baú de notas musicais, teclas de piano velho e conchas antigas de outros mares viajados.
Nesse dia eu pude ser tudo o que eu queria ser. Dissimulada como Capitu, invisível nos átimos necessários, lírica como Cecília, singular como Clarice, e do mar como Sophia. Havia um mar absoluto naquelas paisagens tão queridas por mim. E pensei: vou me entregar aos meus sonhos mais antigos e recomeçar a vida nova. Reinventar.
Vou permitir novos olhares, pensamentos, mas nunca esquecer os princípios primordiais. Voltei àquele banco de madeira triste, que já não era triste; e contemplei a árvore que agora me sorria flores e frutos. O vento veio me falando cócegas e brincadeiras, mostrando que o dia era para ser vivido intensamente, de uma vez só.
E justo nesse dia eu encontrei alguém, e me atirei em seus braços, publicamente, e sorri um sorriso extasiado, e o beijei, publicamente; rodopiei como em filme de romance. Ele me beijou a face e as mãos dizendo que ia seguir comigo, não importava para onde. E fomos, então, os dois, navegando, navegando um amor-mar repleto de ventanias que refrescavam e vivificavam nossas almas sequiosas.
Eu pude ser tudo o que eu queria nesse dia. Eu pude ser toda, várias, única e, principalmente, ser EU – a inúmera. Nesse dia reinventei meu nome para que pudesse estar conforme a vida e meus sonhos...






Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Ernani Netto disse…
Mas somos isso mesmo, um eterno reinventar, e nisso acabamos por descobrir que temos vários eus!

Bjaum
leo disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
leo disse…
"Um homem precisa reinventar a si mesmo , sempre que sua auto-adimiração estiver ameaçada." (E. Santos)
Sem mais palavras para este teu texto. Toda e qualquer palavra que eu pudesse por aqui escrever não chegaria a expressar com clara exatidão tudo o que se propõem a nos fazer sentir.
Parabéns pelo texto!
Chris... ჱܓ disse…
Que post lindo!
Parabéns!
Diu Mota disse…
Jaqueline, adorei seu texto porque me transportei para 'aquele banco'. Um bom texto ( não que o seu se limita a isso- é um jeito de falar) faz aflorar nossas emoções.

Abraço de uma visitante.
"Vou permitir novos olhares, pensamentos, mas nunca esquecer os princípios primordiais"

Só por curiosidade... como isso é possível? Não são os princípios primordiais que não nos permitem ter novos olhares e pensamentos?
Menino-Homem disse…
eu sempre soube do seu poder de surpreender, entreter, encantar...

você sempre sendo,
e eu te adorando.

entre Helena e Capitu
sou mais tu.

beijos,
do seu homem virando menino
que te admira muito.
Emily,

Janeflí saberá conduzir suas essências...
sem jamais perder o que lhe alimenta a raiz...

Só sendo para saber!!!!
E Jaque Sou...
Sim, Ernani, um eterno processo de fenixização!!

Beijos=*
Leo,
saudades de você!
Obrigada, meu querido!

Baises!!
Chris,

obrigadíssima!!!
Beijokas=*
Diu,

adorei sua visita,viu!!
Pode vir sempre!!

Obrigada!

Beijos=*
Meu menino...

Que vontade de sair correndo e lhe dar um beijo e um abraço!!!

E, pode ter certeza,
eu sou sempre mais TU!!!

Lindo!!!

Beijos de dourado alaranjando os arrebóis!
Ana!!!

Quanto tempo!!
Estou em falta com você!!
Vou resolver isso!!!

Beijos=*
Léo disse…
Isso foi um Reinvento. Mais eu também descrevo como uma evolução espiritual e Maturação do teu ser.

E que o ser que adentrou tua vida lhe complete ainda que a chama da incerteza a faça navegar por mares incertos, esta força que está contigo... Aproveite-a da melhor maneira possível, enquanto houver ventos nesse mar.

Adorei o EU - A INÚMERA. Isso me deu várias idéias...

Direto do Rio.
Beijão linda.
Ex-critor disse…
Gosto de seu texto em prosa. Você deveria escrever mais nesse estilo. Ele também é muito poético. Gosto da poesia em linhas longas, que não requebra as cadeiras.....

bjs
luiz

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não