Anjos de asas guardadas


Às vezes,
As palavras em minha boca
Têm gosto de pressa
E se parecem sangue
Em hemorragia
Quanto mais as tento reter
Mais se derramam de mim
Como se não fossem minhas
Como se não me quisessem ser.

Afoitas, sem o menor apego,
Elas percorrem ruas e becos
Raspando esquinas,
Escorrendo no lodo dos lagos,
Arranhando a pele em muros,
Batendo com a cara nas portas
Assaltando sentimentos alheios
Querendo destruir
Hodiernas construções modestas.

Depois, como anjos de asas guardadas,
Regressam soturnas e iluminadas
Segurando a morte em suas mãos
O coração branco de algodão
Os lábios de cera vedados
E deitam tranqüilas e silenciosas
No mármore fúnebre
Da prata cinzenta das horas.





Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Pablo disse…
Ei, adorei a poesia "Anjos de asas guardadas".. muito linda! vc brocaaaaaaaaaaaa sempre!

Tem muito talento aí dentro de vc, e a impressão que dá é que ele quer explodir, sair, ganhar o mundo e alcançar lugares ainda não alcançados!
Jaquelyne disse…
Pablito!!!
Muito obrigada pelo elogio!!
Você é que é muito iluminado!!
Continue assim,amigo, você irá sempre cair nas graças de Deus!
André Luiz Rodrigues disse…
Filha...

tua poesia cada vez melhor, feito grilo falente e dançante e coisa mais e tal e coisa, lindo mesmo...

vou continuar lendo aqui...

beijos sabor nicotina pra ti.
Jaquelyne disse…
Filho,amado filho...
Você é sempre assim, um jeito ser bruto-amante que nunca se esgota de seca-estiagem...
muito obrigada pelas palavras-sabor-de-terra-molhada!!
Continue...
Beijos sabor verdade-de-sonhos-de-bronze pra ti!
Lindo! palavras, palavras... palavra: Bravo! hehehe
Bjow
Jaquelyne disse…
As palavras são o meu maior tesouro!!
Por isso as canto tanto...

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não