Jaquesou grata de todo o meu coração...

Foto - Wesley Lopes
Eu realmente não tenho palavras suficientes para expressar minha gratidão a todos os envolvidos com o lançamento do meu primeiro livro de poemas "Oratório da moça que sente saudade" que aconteceu na última sexta, 25, na Biblioteca do Sesc Petrolina! Estou muito feliz com a realização deste sonho que alimentava desde muito jovem, mas nunca havia tido coragem. Obrigada, muito obrigada, do fundo do meu coração jaquetício! Agradeço a Deus pelo dom da vida, a Maria que sempre me abençoa e auxilia, aos meus queridos amigos que foram prestigiar, aos desconhecidos que tive o prazer de conhecer naquela noite, aos colegas de trabalho, aos colegas da imprensa, aos meus familiares (baluartes da casa que sou) e a todos os meus amigos do NEPEL do Sesc que me deram precioso apoio, além da gerência que gentilmente me cedeu o espaço lindo da biblioteca! Não vou aqui citar nomes porque seriam diversos mesmo, mas cada um sabe, de coração, a sua importância em minha vida e a cada um segue um beijo jaquetício bem lá na alma! Jaquesou uma pessoa mais feliz porque vocês estão presentes em meu caminho: OBRIGADA!!!

A dor nos rasga, nos faz sangrar, nos torna pó. No entanto, também nos faz mais humanos, mais sensíveis às coisas do mundo, às dores dos outros e principalmente a nos vermos como iguais.

A mensagem principal que quero deixar com a feitura desse livro é a de que se temos amor, podemos sim salvar muitas vidas. O amor é quem nos cura e nos faz sementes de renovação para atuar a favor de dias melhores. Agradeço a Deus por me fazer enxergar, a tempo, que a vida ainda vale muito a pena ser vivida!

Obrigada, TV Grande Rio - Afiliada Rede Globo, por fazer essa linda matéria sobre a moça que sente saudade, seu amor por sua mãe e o livro que é fruto desse amor infinito!

video


Comentários

Oxente Thaina disse…
Linda história, lindo livro :) Amei 'os milagres tangíveis"

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido