Da oração para o amor



Seja o teu silêncio
o meu cobertor nas horas vendavais que gritam em meu peito
e me turvam os ouvidos para a doçura
o teu olhar
o caminho que eu percorro para me encontrar
toda vez que me desviarem o horizonte
a tua boca
onde bebo do antídoto para as hipocrisias desse mundo
porque é preciso acreditar que haverá, de algum jeito, um dia bom para cada desgosto profundo
as tuas mãos
a passagem mais melíflua para adentrar a eternidade dos gestos
daqueles que sorriem a alma
os teus pés
me sejam o guia até as estrelas do teu pensamento mais recôndito
para que em tua boca eu deixe somente o meu melhor sentimento
o carimbo do meu querer em te querer todos os dias
a cópia mais fiel do que tens feito em marca no meu coração.
Que em tua presença eu aprenda a ser dois
e todo o bem maior não fique para depois
depois das horas intermináveis, compromissos, trabalho
que seja durante
que eu esteja durante a tua vida
e como um ser que aprende os afetos a cada passo d(o)ado
eu apreenda em ti a expectativa de retornar ao ninho a cada dia findo
que o teu amor seja meu pão, meu início e nunca meu fim
e quando eu estiver à beira de mim
tu consigas ser aquele que afasta alguém do precipício
[das alucinações do perigo]
me deixando cair nas graças benditas do teu abraço
e no laço de teus braços
que eu seja tua, por séculos e séculos, enfim.

Janefli desde nascença


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não