Pedido no bar



Garçom, por favor,

me traga uma taça de vinho,
não muito cheia
só o necessário
para que eu sinta em meu corpo
aquele quente abraço
embriagadamente apertado
dos que estalam ossos
dos que nos restauram a alma.
Ah, amigo
e me traz um cobertor
para quando o calor passar
e somente a solidão me restar
porque não vou querer ir embora
assim, tão fria. 

Jaquelyne Costa - Janefli

Comentários

Ricardo Dib disse…
muito parecido com uns momentos que eu já passei

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido