Vastidão





Vasto amor esse meu
Mundo inteiro dentro do peito a bater
Na palma das mãos o salgado da ansiedade
Nos lábios quase secos a espera beijada.
Demora-se a acreditar porque quando de verdade
Se tem medo do tanto.
Vastidão o esconderijo desse sentir
Respiro fundo e me vejo nesse lugar
E não importa quando
Enquanto houver teu olhar sobre mim
Eu chovo de calma felicidade
Rego meu jardim com tua respiração
Ar puro sem pressa, intensa primavera
Tua boca percorrendo minha alma
O encontro das mãos é tão bonito
Um pequeno suspiro
E as estrelas são o céu da luz que nos emana.
Vasto amor esse meu
No peito borbulhas borboletando sem fim
No canto do olhar a miragem
Na boca o teu perfume, o gosto de tua alma
Que me inunda de azul e vermelho querer:
A vastidão que soprou em mim.

Jaquelyne Costa - Janefli

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não