Uivar sinais


O olhar que parte de você
Sempre um corredor a nos separar
Tanta gente ali conversando
Eu quis gritar seu nome
E deixei essa vontade passar

Por que não abre a sua alma
Um rio e suas montanhas
Os segredos como peixes fluindo
Uma correnteza de palavras escorrem em mim
A sinfonia líquida que acalma
Fundo, fundo, indo
A renovação que acontece sempre.

Eu quero enfeitar suas manhãs
E pendurar no dia um sol disposto
Com aquele gosto de amores fatais
Emoções nunca são demais
Quando o lobo feroz do desejo
Resolve aparecer e uivar sinais

Por que não abre a sua alma
Um rio e suas montanhas
Os segredos como peixes fluindo
Uma correnteza de palavras escorrem em mim
A sinfonia líquida que acalma
Fundo, fundo, indo
O paraíso sem fim
O paraíso é você e eu.

Jaquelyne Costa

Comentários

Mário Pires disse…
Gostei bastante do trecho:
"Emoções nunca são demais
Quando o lobo feroz do desejo
Resolve aparecer e uivar sinais..."

Sempre encantando a todos com seus textos. Parabéns Jaque!!
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não