Se

Se eu pudesse ir
Até onde você está
Se eu soubesse o caminho
Se num fechar de olhos
Acordasse ao seu lado
E lhe tocasse a face
Se um beijo eu ganhasse
Se eu pudesse ficar...
Porque cá onde me encontro
É morta que me vivo
Eu só quereria repousar
Pousando leve minha cabeça em seu colo
Silenciosa como a noite debruçando-se no horizonte
Mirar-lhe em sua beleza etérea e divina
Ver-lhe assim como a um anjo
E todas as minhas dores,
Meu cansaço,
Desconsolos e desilusões
Fossem como que aniquilados
E eu voltasse a ser sua criança
Precisando de um consolo à noite
Amedrontada pelo escuro e assombros da imaginação
E você viesse me encontrar
Para que restassem apenas as nossas boas memórias
Que ficasse somente o nosso amor que é eterno.

Jaquelyne Costa

Comentários

Will Carvalho disse…
Seus versos são palavras feitas pra nos deslocar do tempo. Do espaço.

Esses "se's" nos matam, não é?! Nos condenam a um eterno remoer. Isso só não nos aprisiona quando existe um amor maior, capaz de nos confortar.
Acho que é seu caso.

beijo, poetisza
Gosto muito deste seu poema e revejo nele em cada palavra e sentimento aquilo que eu própria sinto....
Vengo del blog de Mónica López Bordón y me ha encantado tu Rincón; por lo cual, si no te importa, me hago seguidor de tu Bello Espacio.
Abrazos.
Marcio Alves disse…
Oi jack.
sempre acompanho seu blog e gosto muito das suas postagens. Estou te seguindo no blog. conheça o meu -> http://www.marciooalves.com

bj

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido