Eu sinto que voar



Eu sinto que voar
Mesmo sem janelas
Me faz liberdade
Por isso eu escuto algemas
Cadeados e grilhões
Porque eles mais do que ninguém
Sabem o que é viver de coração fechado.


Jaquelyne Costa - Janeflí desde nascença

Comentários

D.A.V.I. "Tinho" disse…
Como de praxe, algumas palavras bem postas e a idéia do belo salta aos olhos. Isso é poesia! Isso é Jaqueline Costa! Um beijo do amigo!
Jéssica ' disse…
Muito lindo e muito criativo!

Jé :D

http://serfelizefacil.blogspot.com/
Diu Mota disse…
O coração às vezes quer voar, outras se trancar...se punir, emudecer sozinho.
Bjs
Nayara Borato disse…
Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Viva e deixe viver. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido