Quando eu sentir o céu

 Foto: Patrícia Telles

Quando eu sentir o céu
assim doce na boca
a nuvem que desejei
descerá numa febre louca
e chorará a angústia de ter sido
muito mais do que foi preciso
para se viver em branca paz.

Quando eu sentir o céu
e de lá vierem os gritos
roucos quase tontos
de tanto silenciar
estarei de olhos atentos
estenderei meus braços sedentos
e meu corpo falará
das profissões de minha fé.

Quando eu sentir o céu
sem tocar-lhe com os dedos
não sentirei mais o medo
que outrora alguém me impôs
libertarei pelo vento
aquele desejo antigo
de transformar o meu amor
em muito mais que meu amigo.

Quando eu sentir o céu
inteiro dentro de mim
não haverá mais espaços
para o vazio que agora sinto
me confundir em passos
ecoando pelo infinito.

Jaquelyne Costa - Janeflí desde nascença

*Poesia inspirada na fotografia da amiga Patrícia Telles. Paty, ficam aqui meus agradecimentos em forma de poesia!

Comentários

D.A.V.I. "Tinho" disse…
Jaquetice de primeira esta poesia. E que o céu nos cubra com seu manto divino e nos livre de todos que não são janefli desde a nascença. #oremos
Will Carvalho disse…
Um dos que eu mais gostei =]

Acho que senti algo bom...
Poeta del Cielo disse…
bellisima poesia linda en su contenido letras que emocionan sentirlas cuando la vista es acariciada por ellas....bello amiga

saludos
linda semana
abrazos
Indira Ferreira disse…
Você fala com a alma! Linda demais a poesia.
Raquel Amarante disse…
Gostei daki!
Bjo Jaque!
. disse…
É sempre bom ler algo bom, por mais difícil que isso possa ser. E você, realmente, me faz ler coisas ótimas. Parabéns. (Luiz Bringel

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido