À noite me despido



No mar
A lua é pescadora de olhares
E arrebata além das estrelas.
É meu trabalho
Contemplá-la toda vez
De céu rosado
Parece que ela se veste
Para o amor dourado
Que não tarda chegar.
Da janela
A lua pesca minha alma
E deixa em minhas mãos
Uma sabedoria letrada
E, despida,
Me despido da muda cegueira.

Jaquelyne Costa - Janeflí desde nascença

Comentários

D.A.V.I. "Tinho" disse…
Show! Yeah!
Não me despeço, deixo pra você meu "até breve".
Armando Roda disse…
Sempre me delício e fico mais leve ao passar por aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não