Não há nenhum mar

(Imagem: Google)

Não há nenhum mar
Nenhum poema
Nem sei se vou dizer
Palavra.
O mar
O mar
Que se deixa
Que se volta
Sem me beijar.
Não há nenhum segredo
Nenhuma explosão
Nem sei se posso ser
O ar
O ar
Que respira
Que expira
Sem enxergar.
Não há nenhum mar
Nenhum ar
Eu sou o vento...

Jaquelyne Costa - Janeflí desde nascença 

Comentários

Menino-Homem disse…
impregnado
de ti
ventos
passam
ponteiros caminhos
e você adorna
mundos


beijos,
do menino que te quer!

fique com Deus!
romantic disse…
lindo minha menina saudades...
Ana Paula Porto disse…
Oi Jaqueline!
Navegando na net me deparei com seu Blog, gostei muito dos seus textos, das suas idéias. Estou te seguindo!
Abraço
Ana Paula Porto Luna http://anapaulaporto29.blogspot.com/
Rodrigo Rocha disse…
jaquelyne muito lindo not°10
aldemi disse…
oi Jaquelyne, cresci em Petrolina e cheguei ao teu blog por meio do coletanea.Parabéns por seus textos.Apesar de não me considerar poeta, gosto do exercicio de escrever poemas.Então, parabéns pelos seus.
Aldemi
http://eittanoise.blogspot.com/search/label/Poemas
http://roda.blog.terra.com.br disse…
Quanto cor e quanto som nessas palavras, adorei, dá para sentir o vento.
J Araújo disse…
Gostei da poesia aí. Com certeza o poesia é a maneira de expressarmos nosso momento; que por mais que achamos ser só nosso acabamos compartilhando com outras pessoas.

Bjs
Diu Mota disse…
Quanta vastidão, sentimentos e dúvidas.

Sempre bom voltar aqui.
Bjs jaquetícius...rsr

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido