Primaveral



Eu quis ensinar a primavera

Ao que era gelo e esquecimento

Porque nem mesmo persevera

A esperança dum contentamento.

 Eu quis ensinar perfume de flor

Ao que inamovível era

De alma perdida e inodora

Presente sorumbático e incolor.
Eu quis ensinar mar e vento

A arte de bem navegar

No coração de quem ama - alento

E não sabe se entregar,

Sem perceber o que fazia

Me perdia pelo mar

Que trazia antigos vestígios

De uma vida a naufragar.

Se perguntarem quem era

Aquela que contra o soturno lutava

Dize, face iluminada, ela mora na primavera

Que traz flores e muitas almas plumadas

Com o peso de um sonho.



Jaquelyne Costa - Janeflí desde nascença

Comentários

Uni ver sos disse…
Um dos mais belos poemas seu que já tive oportunidade de ler!

Parabéns menina sensível!

Beijos de flores!
Belissímo poema Jaque.

Um abraço primaveril pra vc.

beijooo.
Marcelle Silva disse…
Querida, esse seu poema é genial! Posso postá-lo no meu blog? Logicamente, com os devidos créditos!
Tem tudo a ver com o meu momento tb!!! Simplesmente lindo!
Marcelle Silva disse…
Muuuito obrigada, viu?!
Já tá postado la no meu blog!
Beeeijos!
Virei tua fã!rsrs
Belo,muito belo e doce...como a primavera que algumas vezes nos traz surpresas!!!

Um beijo,saudades!

Sonia Regina.

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não