Bebela e o Nego D'água - uma história de amor

(Bebela jornalista - ₢ Jaquelyne Costa)

Quem conhece Bebela sabe, com certeza, da sua eterna paixão com a lenda do negrinho que agita as águas do Velho Chico. Seria ela também a lenda de sua própria história? Ah, Bebela, que nos envolve entre seus longos fios dourados, seus gestos assinando amor por todos os poros, sorriso-memória banhando a cultura que possui em si como um dom. E tem um dom de encantar, de apriosionar quem se dedicar a descobrir o mundo que Bebela construiu ao longo de seus muitos anos dedicados honrosamente à cultura de sua Juazeiro da Bahia. E por isso eu a trouxe aqui hoje. Para que vocês, meu amigos, de todos os lugares desse mundo possam ter o prazer de conhecer Bebela - nosso patrimônio vivo! 

 Eu vi o Nego D’água (Poema integrante do livro: Lendas e Mitos do Rio São Francisco – 2003)


Eu vou contar pra você,
Escute.
Eu vi o Nego D’água
mentira?
mentira qual nada,
Eu não minto quando falo das coisas da minha
terra, e do meu rio.
Pois, eu vi o Nego D’água.
Neguinho bonito, lustrado, não era feio, não.
Na proa da canoa, fazia batuque
e dizia coisas de estarrecer...
A canoa coitada, tremia de medo,
aquela canoa do Barão Enéas
que todos pegavam para alcançar o rio grande
como dizia o povo, quando a baixa enchia
E a gente queria, água pura e limpa
água de beber.
Pois foi, Nego D’água fazia batuque
tão forte, que eu cá na margem,
por entre os capins, tremia, tremia, sorria
tremia de medo, mas encantada queria
fugir mas batuque do Nego me falava
tão forte que me prendia no chão.
Nego D’água, bichinho sapeca,
se você não me levou daquela vez
não me leva mais não.
Neguinho saliente, capeta falante,
nadando, saltando, encantando...
O que mais você quis de mim?
Mas, que pena! O encantamento passou...
Nego D’água, volte de novo,
Quem sabe, eu não entendi bem, sua mensagem...
E quando conto minha ventura, gente
má não acredita, nem quer me ouvir.
Acredite... eu vi o nego d’água.
Coitados...
Pois foi assim! Eu vi o Nego D’água
Nas águas do rio, lá no Mourão.
Acredite. E mais, agora, agora eu tenho
um amigo, um forte aliado, e
se ele não me levou pro fundo do rio,
como diz a lenda... ele se
encantou comigo... e agora, vai
me proteger e vai me ajudar...
Acredite.
Eu vi o Nego D’água, senti seus batuques,
Ele vai ser meu amigo... vai me proteger.
Eu vi o Nego D’água
Eu vi o Nego D’água, no rio São Francisco,
Eu vi o Nego D’água num belo anoitecer.

 

Maria Izabel Muniz Figueiredo (Bebela).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido