Supõe (Chico Buarque)

(Imagem: Google)
Estou completamente apaixonada por esta música de Chico interpretada por Nara Leão. Imagino-me nessas situações... ah, que delícia!!

Supõe que já cruzamos pela vida
Mas nos deixamos sempre para trás
Porque eu andava sempre na avenida
E tu corrias pelas transversais
Supõe que num comício colorido
A praça, enfim, vai nos conciliar
Supõe que somos do mesmo partido
Supõe a praça a se inflamar
Bandeiras soltas pelo ar
E tu começas a cantar
Supõe que eu vibro, comovida
E supõe que eu sou tua canção
Supõe que te apresentas como amigo
E me perguntas nome e profissão
Comentas que faz sol, ou tem chovido
Ou outro comentário sem razão
Supõe que eu te observo, compreensiva
Porém não tenho nada a acrescentar
Supõe que falas coisas dessa vida
Como querendo aparentar
Que tu tens muito o que contar
Que és um tipo original
Supõe que rio, divertida
E supõe que eu sou tua canção
Supõe que nós marcamos um cinema
Mas chegas lá pro meio da sessão
Pois teu trajeto tem algum problema
Que só te leva numa direção
Supõe que agora a tela me ilumina
Tu ficas assistindo ao meu perfil
Supõe a minha mão tão recolhida
Que não percebe a tua mão
Que não percebe a minha mão
Que não é sim, que não é não
Supõe que eu sigo distraída
E supõe que eu sou tua canção
Supõe que a boa sorte é nossa amiga
E que das 3 às 5 pode ser
Meu pai acaba que dobrar a esquina
E tu vens me encontrar, enfim mulher
Supõe que sem pensar nos abraçamos
Supõe que tudo está como previmos
É a primeira vez que nos amamos
Supõe que falas sem parar
Supõe que o tempo vem e vai
Supõe que és sempre original
Supõe que nós não nos despimos
E supõe que eu sou tua canção.

Comentários

Ilana disse…
Menina, que lindo!!!
seleciona
com este bordô coração
o mais digno natural e bonito...

milhões de beijos,
do seu amante menino...
HSLO disse…
Amooooooooo....nossa, aff....sou apaixonado por essa música, na verdade o Chico Buarque é meu pai e a Nara é minha irmã....amo.


abraços


Hugo
Giuseppe Menezes disse…
E eu me lembrei desta de Tom:

Supõe, Ana Luisa/Se a guarda cochila eu posso penetrar no castelo/E galgar a muralha de onde se divisa/O vale, os prados, os matos,os montes, as flores, as fontes/Luisa/Ana Luisa,eu fiz esta canção pra você/Que pergunta/Precisa saber/Pnde anda Luisa/Luisa//

Por que me negas tanto assim a primavera?/Se sabes que a última quimera/Existe no mundo de Ana Luisa//

Primavera, Ana Luisa/Teus olhos/
Em que lago, em que serra, em que mar se oculta?/Escuta, Luisa/
Na brisa uma canção fala em você/
E pergunta/Insiste em saber, onde anda Luiza/Luisa...//

Eu te amo tanto/Quem há de resistir a todo encanto/Que existe, assiste, em Ana Luisa.

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido