Eu que aqui estou


Eu que aqui estou

Não espero por mais nada

Nem mesmo que tu me apareças

Com um buquê de esperanças

Nas tuas displicentes mãos.

Eu que aqui estou

Pura e simplesmente

Não ofereço a felicidade

Porque a busquei solita

E não a depositei numa conta de banco

Nem nos desígnios de alguém

Eu fui amando...

Eu que aqui estou

Por eles não aguardo

Lembro o remoto retrato

Sobrei neste mundo

De homens extremamente importantes

Com suas pastas e gravatas e colarinhos brancos.

Eu que aqui estou

Estou sobrando

Porque só sei escrever

E estou desesperadamente cansada

E minha vida é a palavra

A palavra cantada

A palavra escrita

Escarrada e cuspida

Entranhada e soerguida

Dentro de mim.

Eu que aqui estou

Sendo o que sou me faz velharia

Que é remoçada pelo ato de escrever

Não fosse isso já estaria

A uns quatro palmos do chão

Entendendo de vermes e germinação.

Eu que aqui estou

Não tivesse existido o livro

Morreria todos os dias

Fenixizadamente

E varreria minhas cinzas

E sofreria toda a dor da morte na ignorância.


Foto e poema: Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

MR disse…
É melhor ser querido que importante.
HSLO disse…
Jaque você tem um talento viu...sucesso.

abraços


Hugo
Tempestade disse…
Simplesmente lindo!
Sua sensibilidade pra escrita e fotografia são ímpares.
Beijos Tempestuosos!
"E minha vida é a palavra
A palavra cantada
A palavra escrita
Escarrada e cuspida
Entranhada e soerguida
Dentro de mim."

belo é o mínimo que posso dizer!
é mágico e toca no âmago do ser...

te amo
e adoro ler vida tua
que é poesia...

beijos,
do seu menino-homem.
Hola jaqueline,

te dejo un beso

Mónica
Giuseppe Menezes disse…
Você que está aqui...
É sempre um lugar aonde posso encontrá-la sempre que desejar.
=D
Léo Metallica disse…
Jaque tô lendo, porque não comentar.

Poesias amadoras como as suas são muito melhores do que estas poesias pré-fabricadas de autores famosos. Tenho asco deles. Já encontrei verdadeiros achados em se tratando de rimadores amadores, verdadeiros poetas do anonimato. E você Jaque é poetisa das boas, então poetisa oras.

Mais vou te contar, teu talento é para a morbidez. rsrs...

Direto do Rio.
Beijos.
Andréia M. G. disse…
Lindo texto! Adorei o "fenixizadamente".
MR,

concordo plenamente...

Beijos
Fábio,

obrigada, querido!
Estou lhe devendo uma visita!!

Beijos
Hugo,

que bom você me dizer isso!!
As vezes a gente precisa ouvir elogios...rsrs...


Beijos
Tempestade!!!

Noooooooooossa!!!

Obrigadão pelos elogios,viu!!
Um grande beijo=*

Saudades de teu espaço...
Meu menino

é clichê dizer que te amo tanto tanto amor
mas o que fazer
com esse calor
que guardo aqui dentro?
Eu te dou!

Beijos
Hola, Monica!!

Gracias!!!
Besitos en usted, amiga!!
Oh, Gepp!!
A gente ainda vai sever pessoalmente, afinal, estou lhe devendo isso há um tempão!!

Beijos, meu querido!
Oi, Léo!

Valeu pelo comentário!

Talento pra morbidez é?
Hummm...vou pensar!!

Beijos=**
Andréia,

Obrigada, menina!!

"Fenixizadamente" acho que inventei mesmo!
rsrs....

Grande beijo

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido