Quando eu tiver oitenta anos

( Tempo e face: um antigo retrato - Jaquelyne A. Costa
Petrolina/2008)

Quando eu tiver oitenta anos
Quero um pouso tranqüilo
Dessa encarnação.
Bastam os suspiros
Um sono sempre tranqüilo
E a flor que cultivei
A minha vida inteira:
Jardim de uma vida só.
Que a pena me seja leve
Depois daquela fronteira
Que a morte faz frente
E eu sua passageira.
Quero ir junto ao vento
Qual asa duma borboleta
- Um dia trabalho muito,
Duma leve beleza,
Num outro já não mais serve.
Quando eu tiver oitenta anos
- O tempo terá sido fiel –
Colherei a minha flor
Pétala por pétala
E as repartirei
Entre os meus diletos:
Terei partido jardineira
Como eu sonhava
Quando não tinha esse peso nos olhos.


Foto e Poema: Jaquelyne de Almeida
Costa

Comentários

Sandra disse…
Parabéns pela mensagem, linda.
Também quero chegar aos 80 anos, com muita saúde e alegria.

Vim retribuir a sua gentil visita em meu blog.
E dizer que ele estará sempre de portas abertas a lhe esperar.
Sua amizade é muito importante para mim.
É sempre bom receber pessoas maravilhosas como vc. em minha doce casa virtual.
Com muito carinho e um forte abraço.
Sandra
MR disse…
Muito lindo. Vou pensar em escrever um sobre isso.
HSLO disse…
Eu quero isso aos 80 anos...nossa.

belíssimo texto.


abraços


Hugo
Menino-Homem disse…
"Quero ir junto ao vento
Qual asa duma borboleta"

quando chegar aos 100 anos, ainda te quero ver em palavras...

bonita é demais, dom de sobra...!

adoro tu.

do seu homem-menino-sentindo-o-que-escreve!
Um beleza é ler toda esta doçura escrita e pensada por uma linda menina:sinto-me um pouco homenageada!

"Terei partido jardineira
Como eu sonhava
Quando não tinha esse peso nos olhos."

Obrigada!Sonia Regina.
"A minha vida inteira: Jardim de uma vida só" (Jaquelyne Costa)

Um jardim tem tantas rosas ou tantas margaridas, ou tantas outras tantas flores. Uma vida também deveria ser assim, tantas outras vidas em uma vida só. Acho que seria um belo jardim, não é, Jaque?!

;)Beijos...
Denise disse…
Sem sombra de duvida.....ao semear sementes cuidadas ,tu colhera flores e perfumes.

te quero muito bem
Andréia M. G. disse…
Jaque, fiquei encantada com seu poema. Quando chegar aos 80 anos também quero colher a minha flor pétala por petála para reparti-la entre os diletos. Bj!
ŁǺи¥ disse…
Lindo poema!! Parabéns!

Abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido