Vem me encher de estrelas



Eu bem que avisei
Ia acabar assim mesmo
Vida de migalhas
Você caído na sarjeta
Olha bem na minha cara
E confessa que eu tinha razão.
Ouve o meu coração
Rio e mar
Onda que sempre vem
Ouve a canção
Que ainda não fiz
Leia o poema
Que ainda não escrevi.
Olha a maré encher
Vem pro meu lado agora
Deixa o amor transbordar
Molhar seus pés, suas pernas
Deixa eu molhar o seu rosto no mar
Vem, pega na minha mão
Vamos mergulhar e gastar o tempo
Numa aventura aquática
De acrobacias mútuas.
Caia nos meus braços
Entrega o que você tem guardado
Há muito tempo.
Saia dessa ilusão
De viver sozinho
E pára de fingir que não acredita
Nas verdades que eu falo
Presta um pouco de atenção em mim
E permita que eu reparta com você
O amor que tenho aqui dentro
Desse lado do peito:
Candente desejo de ser dois em um.
Saia daí desse lugar
Larga essa sarjeta fria
E vem viver comigo
Num ambiente quente
Onde não falta o calor
Que brota do meu corpo.
Confessa que eu tenho razão
E vem ver a maré comigo
Vem me encher de estrelas...




Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Cecilio disse…
Minha cara Jaque,

Estou esperando por uma poética gótica...

Ótima semana!
Diu Mota disse…
Poesia é o sentido do mundo!
Cecílio,

vou fazer uma poesia gótica!
Tentar!!
Não sei se sei fazer...rs...

Beijos
Diu,

poesia é alimento da alma!

Beijos
Ric Dexter disse…
E quem recusaria um convite desses??

Beijos!
....

ps.: que história é essa de "há um poeterio dentro de você!!"? Tem nada dentro de mim não! Sai fora! hehe!
Ric!!!

Meu Deus, olha a cabça suja!!

Pronto!
Tem poesia dentro de você, pode ser assim?!!

Kkkkkkkkkk....
Léo Metallica disse…
Do coração que queima...

A mulher impôe a autoridade ao homem que é cego. Ele não tem a compreensão do coração feminino. Alguns homens precisam de um cursinho básico sobre amor. rsrs...

Direto do Rio.
Beijos.
G I L B E R T O disse…
Jacky

Tudo lindo por aqui!

Mais que seguidor, virei fã!

Adoro poesia.

Gostei do seu jeito de fazer poesia...

Tchau

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não