Mins


Queria me abrigar
Na torre de teus pensamentos
Altos e distantes
Longos e vagos
De mim.

Queria, do silêncio,
Os dois que existem
As faces que se mostram
Em relâmpagos –
Dessas tenho medo.

Dessas minhas
Antagonices quase tolas,
Dessa desnecessariedade
Que se faz em mim,
Eu queria um silêncio.
Pausadamente
Silenciosamente
Os meus segredos se instalam.

Desespero insano...
Eu esperava Godot
Mas Godot não veio
Não veio a decifração
Não sei (e sei) do mundo de coisas
Que sou.
Exatamente dividida
Entre ocidente e oriente.

O ocidente nem se deu conta
Que existe.
O oriente ainda busca,
Tolamente,
orientação para o horizonte.

Amanheceu,
E o quadro iluminou
Os meus mais íntimos recantos
De um sol recém-nascido
Em foguessências cristalinas.
Anoiteceu,
E o quadro escureceu
Os meus mais íntimos recantos
De um azul recém-morto
Em súcubos de fragmentos de silêncio.

Esperei por mim
Enquanto era sol
Agora se faz lua
Não pertenço à rua
E prefiro dormir desejos
Porque vivo sozinhas,
Porque o ocidente
É tão demente
Que nem se sabe humano
E amanhece como anoitece
Num desassossego dum eterno sigilo a se calar.
No oriente, que não se tente me achar
Estou numa infinda procura
Marcada por ausências de mins.




Jaquelyne de Almeida Costa.

Comentários

Miguel Schweiz disse…
Jaque... qué belleza. Y no veas poder sentirla en tu idioma...

Es hermosa. Para qué decirte más...

Muchos besos poeta
Meg Macedo disse…
Bom dia poetisa!

Belas palavras. Ah, esses mins que insistem em permanecer.


Beijos!!!
Meg Macedo disse…
Sim, já adicionei a ferramenta de seguidores no meu blog e também tornei-me uma seguidora do seu blog.


Beijos querida!!!
MEUS PENSAMENTOS disse…
sempre estamos a procura de nos mesmos!
nem sempre nos encontramos!
bjs bom fim de tarde!
O Profeta disse…
Fantástica és...!


Doce beijo
Mírian Mondon disse…
Que maneira linda de escrever! Não apenas linda mas inteligente, instigante...
Parabens
€ster disse…
Oi minha querida Jaque!

Passando para matar as saudades!

(como se a gente conseguisse
matar essa 'doida' chamada saudade..hahaha..)

venho e olha o que eu encontro..
mais uma obra de arte vinda diretamente do seu íntimo,

ainda bem que vim, para ser testemunha ocular desse surto de poesia magnífica!


Cecília tem razão sobre marcas,
há pessoas que nos marcam indelevelmente com suas palavras..


bjs,s
Miguel...yo me siento maravillosa!Ellas son un bálsamo para mi alma!Muchas gracias por tudo! Usted es un amigo muy gentil!

Besos y besos
Meg,muito obrigada!
Pois é, esses mins são sempre muitos...

Beijos, querida!
Obrigada por seguir o Jaque Sou!!Já estou na cola do seu!!
;)
Isso mesmo, Márcia!
A gente vive em busca de si mesmo...apesar de ser uma infinda procura...


Beijos=*
Profeta,
tu me deixas maravilhada!!
Obrigada, meu querido!
Um grande beijo!!!
Mírian, que honra você aqui em meu humilde bloguinho!!!
Nossa!! E ainda recer tão fortes palavras!!!
Fico muito contente que tenha gostado daqui!!
Adorei seu blog, achei um super blog mesmo!!
Obrigada, querida!!

Beijos=*
Olá minha queridíssima Ester!!!
Você sempre colorindo meu dia com sua presença feérica de borboleta azul!!
Eu já estava morta de saudades mesmo!!
Pois é, você é testemunha ocular de meus surtos!De vez enquando dá uma doida em mim, quer dizer, em mins!!Rs...

Muito obrigada por vir aqui, por escrever assim e ser uma presença doce em nossas vidas!!

Um enorme beijo!!=*
Menino-Homem disse…
te encontrar me fez o homem mais feliz...

que poesia mais linda.
que poesia mais sua.

beijos, cheiros
e felicidades.
Meu amor, você existe mesmo?É tão maravilhoso que as vezes me pergunto se é verdade que eu conheço um menino tão lindo assim...

Te amo
Te beijo
te cheiro
te felicito!!
=*
Elias B. disse…
Ola Jaque!
Me afaga a alma ao ter-te comigo...
E já que tenho essa honra de ver-te acompanhando-me, pobre mortal que desconhece esse negócio de net e blog, terei o prazer de acompan har-te, e assistir de perto sua alma derramada em versos, em palav ras, neste teu canto, teu blog...

Beijo...
O Néctar da Flor mais uma vez homenageia os amigos queridos com mais um selo, onde a magia acontece, seja ela qual for.
Não existem regras, apenas repasse com carinho para aqueles que fazem a mágica da escrita criar vida.



Beijos jogados no ar, sempre!

-
Amei poetisa,parabéns sempre.
Bjs e boa noite.

.........................

Esperei por mim
Enquanto era sol
Agora se faz lua
Não pertenço à rua
E prefiro dormir desejos
Porque vivo sozinhas,
Porque o ocidente
É tão demente
Que nem se sabe humano
E amanhece como anoitece
Num desassossego dum eterno sigilo a se calar.
No oriente, que não se tente me achar
Estou numa infinda procura
Marcada por ausências de mins.




Jaquelyne de Almeida Costa.
Amei poetisa,parabéns sempre.
Bjs e boa noite.

.........................

Esperei por mim
Enquanto era sol
Agora se faz lua
Não pertenço à rua
E prefiro dormir desejos
Porque vivo sozinhas,
Porque o ocidente
É tão demente
Que nem se sabe humano
E amanhece como anoitece
Num desassossego dum eterno sigilo a se calar.
No oriente, que não se tente me achar
Estou numa infinda procura
Marcada por ausências de mins.




Jaquelyne de Almeida Costa.
Ah, Elias!
O prazer é todo meu!!
Seja sempre muito bem vindo aqui!
Obrigada por suas palavras de carinho!!
Um grande beijo!
Muito obrigada, Rebeca e Jota Cê!!
Esse blog de vocês é tão doce e meigo...é muito lindo!!
Com orgulho exibirei amanhã lá no Jaque Sou!!
Um grande beijo=*
Elliana, muito obrigada!!
Vc é sempre muito gentil comigo!

Beijos=*
Giuseppe Menezes disse…
Não sei porque, mas não consigo acreditar quando diz que está mesmo tudo bem contigo. Apesar de achar extremamente belos estes seus textos melancólicos, fico meio preocupado quando os leio.

Ah, um dia pretendo ler essa peça de Beckett.
Gepp!!Meu querido!
Eu estou bem, é sério!!
Graças a Deus as coisas para mim estão sempre clareando!!
Muito obrigada por sua preocupação!
Fico feliz de saber que você se preocupa comigo!!
Ah, assista mesmo Esperando Godot!!
É uma peça ótima!!
Um grande beijo=*

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não