“Quantum mutatus ab illo!"


Como Âmico te comportaste
E deflagraste tua verdadeira
Essência.
Toda vez que o vejo, novo Âmico,
Pronuncio esta máxima:
“Quantum mutatus ab illo!”
E escolheste um caminho
De solitária desgraça,
De vinganças inúteis.








Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

manzas disse…
Chegar aqui e ver tamanha beleza
Numa pagina que fermenta alegria…
É sonhar acordado e voar na leveza
De poetizar tudo… porque tudo é poesia

Uma semana de paz e alegria…

O eterno abraço…

-MANZAS-
Jaquelyne disse…
Manzas,
toda vez que vens aqui
sopras em mim um favônio
repleto da essência álacre
de quem sente e faz
de quem é leve e tudo traz
portador de palavras-alma.

Para ti uma semana adornada de paz e amor.
Um abraço terno...

Jaquelyne
Sonhos Amadores disse…
Jaque! Tem selito pra ti lá no blog!

PS: sem palavras para suas belas palavras!

Um beijo doce!
Marcos Miorinni disse…
Olá Jaquelyne;
Rei sitae
Em QuInTaNA

Bravo !!!

abraço das letras
Marcos Miorinni
meus pensamentos disse…
não a nada mais inutil do que a vingança!linda postagem bjos minha querida ,vc esta linda de chapéu uma verdadeira dama!
Jaquelyne disse…
Bianquita!!!
Eu é que já não sei mais te agradecer, menina!!

Um grande beijo!!
Meu eterno carinho!!
Jaquelyne disse…
Bravo, Marcos!!Bravo a ti!!
Adoro chegar ao teu espaço!!!
Muito obrigada!!

Beijos

Sobrevoarei Quintanares...
Jaquelyne disse…
Ai, Márcia!!!Fiquei até vermelha de vergonha!!kkkk...Obrigada pelo elogio!!
Sim, não há nada mais tôlo que uma vingança!


Beijos, minha querida!
Agradeço a sua atenção e delicadeza em meu blog,amiga Jaq.

Abraços de Ronaldo Franco.(Belém do Pará)
Jaquelyne disse…
Ronaldo, caro Poeta, nem precisa me agradecer...
Teu blog me é um espaço indispensável!

Abraços,
daquela que é porque tem de ser...

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não