Há um segredo enorme em ti



Eu sei porque és tão sisudo

Não fazes questão por conversa

A muitos passas uma imagem

De machão solitário e casmurro

Vaqueiro que entre goles de wisky

Aceita um flerte de uma bela garota

E a beija como se dela gostasse.

Mas, quando beijas assim

Não é por ela o desejo

Que deveras sentes,

Há um amor em segredo,

Há um segredo enorme em ti.

Quando fazes amor com tuas garotas

Preferes sempre o dorso alvo delas

(como num cavalo realizas teu trabalho)

E então mudo segues teu caminho

A esperar o dia em que ele virá

- viver o conto de fadas diferente-

E na montanha os dois se entregarão

Não há porque disfarçar

Não há porque esconder teu eu legítimo

Não há motivo para o cenho

As frustrações parecem ir embora

Quando se abraçam sem culpa.

Mas, há um erro mortal

Nessa tua história:

A de negar a tua verdade

Para ti mesmo

(tens medo do que os outros podem pensar)

E para essas moças

Que te suprem uma necessidade,

Pois se soubessem que teu amor

O entregas a um outro homem

Elas não ficariam

Feito tolas ao teu lado

Sem entender tuas casmurrices,

E essa tristeza que pesa em tuas costas.



Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

BAh disse…
Mentir para si mesmo é a pior das burrices. E a pior das mentiras.
Não cheguei a ver todo esse filme. Mas hei de fazê-lo em breve.
Nossa! Será que é um primeiro passo para poemas lascivos? Hummm rsrss

Gostei, Jaque!
Jaquelyne disse…
Bah, você disse bem!!Olha, assista esse filme!
Beijos=*
Jaquelyne disse…
Será,Emily?!
Acho que aprenderei...
Beijos=*
Menino-Homem disse…
“Olha você não ter permissão pra marchar em mim dessa forma! Vou te denunciar!” Jaque que eloqüência é essa? Que perfeito ajuste entre o mundo e suas encobertas realidades. Ai garota eu vou sair daqui antes de um colapso...
Jaquelyne disse…
Kkkkkkkkkkkk........é só um desabafo!!

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Poema do sim e do não

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido