Carta à Cecília

foto: Jaquelyne A. Costa
O mar, Cecília,
O mar que me dizes
Está brumoso e frio, bem o sei.
Foi lá que deixei,
À marola,
O meu sonho se afogar.
Ainda há a carcaça do teu navio
Repleta de vida e cores
Por tuas mãos plantadas
As flores ainda perfumam
Muitas de minhas dores.

A canção, Cecília,
A canção que me cantas
Ecoa em meus sentimentos
Tão sucintos como sinos
Que só a mim ressoam.
Com minhas mãos abri o horizonte
Eis que a lua ainda dormia
E avistei de longe
O sol da minha vida.

O céu, Cecília,
O céu que me anuncias,
Repleto de campos plumados,
Branco e límpido
A mim aparecia em armação de chuva
Sempre que meu coração
Era espedaçado.




Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Noussaaaa!!
Lindo!
Acho que nunca vou me cansar de dar parabéns! hehehe
E se eu parar de dar parabéns, é porque terei mudado pra BRAVO!!!! hehehhe
Bjoww Jaque!
Jaquelyne disse…
Pôxa, Wllyssys!!!
Você sempre me empolga bastante com seus comentários!!!
Muito obrigada por tudo!!
Te adoro demias, vc sabe disso!!
Beijos=**

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não