Esse cavalo sem nome


Esse cavalo sem nome
Cavalga no espaço
De estrelas, suspiros e lágrimas
E deixou, sem querer,
Uma correnteza a inundar.

E esse cavalo sem nome
É branco como a neve
Que em minhas mãos se derrete,
É incolor como essa água
Que me percorre o corpo,
É vermelho de sangue
Sangue seu em meu peito.

Esse cavalgador sem nome
Se distribui em formas galopadas
Avança outros universos meus
É pássaro estendendo suas asas sobre mim
E voa alto, me leva acima
Do que pude, um dia, conhecer.

Esse cavalo sem nome
De cores e formas e cheiros muitos
Se chama Amor
E em seu dorso me debruço
Correndo campos e mundos.



Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Clayton Ângelo disse…
Cavalgar, caminhar com amor pela vida, "correr campos e mundos... suspirei com esse poema: muito belo e romântico. Uma saudação à vida. Abraços.
Meu blog esta comemorando um ano, tem presente la pra vc.

beijooo.
Luís Dias disse…
muito obrigado pelo seu comentário, espero que continue visitando meu blog e parabéns pelo seu, também é muito interessante.
Ric disse…
Uma excelente cavalgada pra você!

Beijos!
Liginha Gabriela disse…
Adorei essa parte que diz...

'Esse cavalo sem nome
De cores e formas e cheiros muitos
Se chama Amor
E em seu dorso me debruço
Correndo campos e mundos.'

Lindo poema... de deixar o coração maix bobo e apaixonado...rss xD~


Abraço bem forte pla ti minha lindxa ^^

Xero

;*
Clayton!!!
É preciso cavalgar nessa vida
os caminhos são floridos quando se sabe amar!!


Beijos=*
Ana, parabéns, amiga!!!

Muita felicidade!!
Espero comemorar junto a você muitos anos mais!!!

Beijos=*
Obrigada, Luis!!

Gostei muito de suas palavras!!
Visitarei em constância!!

Beijos
Xará!!!
E como vai essa mamãe linda?

Espero que esteja ótima!!

Beijos=*
Ric!!!

Obrigada!!
Que a cavalgada contemple o amanhecer
sejamos felizes!!

Beijos=*
Liginha!!!
Você é como eu muito romântica!!!

Obrigada, amiga!!!

Um grande beijo pla voxe!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não