O jeito “Jaque sou” de ser


O poema que "explica" a existência desse diário virtual.



Já que sou...o jeito é ser!”
(Clarice Lispector)

Sou relâmpago
Notícias-trovão
Me assustam, eu assusto
É um queixo no chão.

Num retrato que me empresto
Caro demais diante do resto
Das coisas no e do mundo.
É história de Macabéa o meu futuro.

Está chovendo lá fora
Mas não vejo os pingos cristalinos que são
Encharcando as vidas demasiado tristes e frias.
Sou complicada demais para entender...

Olhar quando não se pode escutar
E dizer: -“Olhe!” quando se quer que escute,
Escute,quando se é perceba,
Perceba quando se quer Mude.



Jaquelyne de Almeida Costa.

Comentários

Olhar quando não se pode escutar
E dizer: -“Olhe!” quando se quer que escute,
Escute,quando se é perceba,
Perceba quando se quer Mude.


Esse bentido verso é de fazer corar o coração amarelado e sertanico abrasivo meu, cá!


Beijo, fia.
Jaquelyne disse…
Prazer imenso de ter ocê puraqui!!!
Meu coração sertanejo romperá esse gelo que me deram!!
Beijos, fio!

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não