Da Poesia que sou e me fiz ou Da Poesia que fiz para mim ou Da Poesia que sou.


Quando vomito meus sentimentos,
Um a um jogados,
Escancaradamente,
Dizem-me ser atitude imatura.
Acaso imaturo não seria o contrário?
Será que peco em dizer, mostrar,
A casca cristalina que sou
Em tempos como esses?
- os quais tenho o desprazer de vivê-los.
Ah, sinceramente estou perdida
Porque outro jeito não sei fingir,
Até minhas mais inocentes mentiras
As conto tão mal
Que logo são desviradas.
Sei que preciso melhoras,
Sou parcialmente normal
O resto, o resto de mim
É isso que mais sou:
Uma mulher-menina,
Que não admite a mentira,
A falsidade, a hipocrisia,
A falta de amor,
Uma serenidade infeliz,
A violência,
A inconsciência,
A modernidade sem sentido
E seus bufões seguidores.
Ainda sou aquela menina
Que conversava solilóquios em seu quarto;
Que gostava ouvir histórias;
Que sonhava em ser princesa;
Que queria ser jornalista;
Que andava sempre cheia
De papéis e canetas;
Que brincava muito sozinha;
Que sonambulava pela casa;
Que gostava de poesias,
Mesmo sem por completo entendê-las.
Ainda sou aquela menina
Que gostava ajudar os outros,
Mesmo que esses outros só a apunhalassem;
Que batia nos meninos da escola
Porque eles a tiravam do sério
-e eles sempre a começar;
Que comia biscoitos de chocolate,
No chão, apoiada numa almofada
Encostada ao sofá
Só para ver seus programas favoritos;
Que chorava sozinha
Muitas noites, com medo,
Medo de morrer;
Que fala sempre alto;
Que olha nuvens e imagina
Tantas outras coisas;
Que visitava constantemente a lua
Mesmo estando em sala de aula;
Que queria ser professora
E nos colegas, as vezes,
Nas lições mandava.
Ainda sou aquela menina
Que aprendeu valores impagáveis com sua mãe;
Que sente muito ciúme só por quem ama;
Que é muito teimosa, nunca desiste;
Que sempre buscou a alegria
Mesmo quando o possível
Era de se ter melancolia;
Que imaginava em ser estrela;
Que queria viajar de avião
Só para saber das cordilheiras amaciadas e brancas;
Que é sempre muito nervosa
E sente tudo com muita intensidade;
Que percebe essências de coisas e pessoas
E sabe quando delas se afastar;
Que tem vergonha de ser o centro das atenções,
Apesar de brincalhona.
Ainda sou aquela menina
Que pensa como que um só Deus
Pode ser três ao mesmo tempo
E ainda assim acredita em seu poder (meu maior sustento);
Que acredita na paz,
Na solidariedade, na fé,
Na esperança,
E principalmente no amor,
O amor que tudo renova, constrói,
Solidifica e revela.
Continuarei a ser imatura assim,
A vomitar tudo que sinto e tenho para oferecer.
Não preciso que todos gostem de mim,
Apenas, eu, deles.
Meu mundo é poesia,
E confesso ser nefelibata!


Jaquelyne de Almeida Costa

Comentários

Cecílio Bastos disse…
Uma identidade concreta de Jaque Neféli Flicts? Identidade definitiva? Passageira? Talvez! Mistério... Como seres passageiros, sujeitos a mudanças, ainda assim carregamos algo que é para sempre, mesmo após a morte. Coisa que se o mais sábio dos cientistas um dia descobrir - ou a igreja se apoderar - perderemos, no mínimo - a razão do viver. Quem sabe esse poema descreveu essa "coisa" que é um segredo, um enigma...

Linda poesia de uma linda mulher!

Beijo.
Jaquelyne disse…
Cecílio, essa "coisa" é realmente um mistério,mas um mistério acessível aos que vêm com os olhos da alma mais aleta e vera sensibilidade!E tu és dos poucos que nascem com essa relíquia digna de muito apresso.Adoro-te!
Tens a alma que me sacia nesses tempos de tanta hipocrisia, és um homem digno,fidedigno, do mais puro sentimento que possuímos: o Amor!
Que Eros e Afrodite nos guie por esse caminho!!
Beijos.
Cecilio Bastos disse…
O que dizer minha linda?


AMÉMMMMM !!!!!
Jaquelyne disse…
Amém,aleluia!Meu querido!
Beijos...

Postagens mais visitadas deste blog

Descendentes de Ares, doentes de um ódio cancerígeno

Amor jamais será essa coisa pálida que faz você se sentir pequeno e esquecido

Poema do sim e do não